Xian está lutando contra a maior erupção de COVID-19 em uma cidade chinesa este ano

  • Desde 9 de dezembro, Xian sofre de mais de 1.100 doenças infecciosas
  • Este ano estourou no pior Xian de qualquer cidade chinesa
  • Autoridades municipais estão realizando a sexta rodada de testes

PEQUIM, 30 de dezembro (Reuters) – O centro industrial e tecnológico da China, Xian, relatou na quinta-feira mais de 100 novos casos de COVID-19, o maior número de doenças infecciosas em qualquer cidade chinesa este ano.

Xian registrou 155 novos casos locais em 29 de dezembro, de acordo com dados oficiais. Já carregou mais de 1.100 de suas epidemias locais desde a erupção começou em 9 de dezembro e forçou as autoridades a fechar 13 milhões de cidades.

Apesar do número relativamente pequeno de aglomerados em muitas cidades ao redor do mundo, as autoridades de Xian impuseram restrições rígidas às viagens dentro e fora da cidade desde 23 de dezembro, já que Pequim exige que cada erupção seja controlada rapidamente.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

“Jian chegou ao ponto de viver ou morrer na luta contra o vírus”, disse Zhang Feng, autoridade do governo municipal, em entrevista coletiva na quarta-feira.

Samsung Electronics (005930.KS) E Micro Tecnologia (MU.O)Dois dos maiores fabricantes de chips de memória do mundo alertaram que o Lockdown pode afetar as fábricas de chips da região. consulte Mais informação

Xian também é um importante destino turístico, atraindo visitantes para a coleção de guerreiros Terra-Kota enterrados com o primeiro imperador da China há 2.000 anos.

As autoridades realizaram várias rodadas de inspeções em toda a cidade para detectar as propagações. A sexta rodada começou quinta-feira, um dia após a quinta rodada.

READ  Brasil: Um trecho de via expressa perto de um trem do metrô em construção em São Paulo desmorona

Muitos residentes são proibidos de deixar suas casas até que possam sair para se submeter aos testes do Govt-19 ou participar de eventos essenciais aprovados pelas autoridades.

As restrições reduziram o acesso às necessidades diárias, com muitos impossibilitados de fazer compras e depender de suprimentos.

Mas as sanções criaram uma crise de pessoal em empresas envolvidas na garantia do fornecimento de bens, e um funcionário do governo de Xian disse que o governo está trabalhando para resolver o problema.

Aniversário de Wuhan

O morador de Xian, que tem sobrenome, disse à Reuters que tentou fazer pedidos de mantimentos no aplicativo online da rede de supermercados Freshibo, apoiada pelo Alibaba, mas não conseguiu garantir muitos itens, incluindo batatas e pepinos.

De acordo com a captura de tela que ele forneceu, o aplicativo divulgou uma mensagem em vários itens dizendo “Equipe de entrega não disponível”.

A mídia estatal noticiou que vários distritos da cidade providenciaram o fornecimento gratuito de mantimentos para alguns complexos residenciais.

Um porta-voz do Ministério do Comércio disse a repórteres que o fornecimento total de bens necessários em Sião era adequado.

Gráficos Reuters

O bloqueio Cyan, agora em seu oitavo dia, coincide com o segundo aniversário dos primeiros sinais de um surto do vírus corona na cidade central de Wuhan.

Em uma declaração emitida por funcionários da Wuhan Health em 30 de dezembro de 2019, a mídia estatal informou que alguns pacientes com pneumonia estavam sofrendo de uma doença “por motivo desconhecido”.

Na quinta-feira, milhares de pessoas postaram mensagens na conta de mídia social do falecido denunciante do COVID-19, Li Wenliang – e em 30 de dezembro de 2019 – ele tomou conhecimento do potencial do vírus para causar pneumonia. Wuhan. consulte Mais informação

READ  Brazília. Najgorsza susza od prawie wieku. Kraj mierzy się z prawdziwym kryzysem wodnym

Na quarta-feira, a parte continental da China registrou 101.890 casos confirmados do vírus corona, incluindo 4.636 mortes, tanto locais quanto importados.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Ryann Woo, Roxanne Liu, Beijing Newsroom, Gabriel Crossley e Albee Zhang; Edição de Karishma Singh

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Dia Jundiaí