Fique Conectado

Entretenimento

Voltado às crianças, o musical A Borboleta Sem Asas se apresenta em Jundiaí

Foto: Caio Gallucci
Avatar

Publicado

em

Texto que já teve até adaptações para a TV, ganha montagem com as diretoras Paula Flaibann e Bebel Ribeiro; o mote da peça é a deficiência como eficiência e singularidade.

Babi é uma borboleta que nasceu sem asas. Certo dia, ela decide ir até o lago com as outras borboletas, mas elas a destratam por causa de sua deficiência. Ao decidir ir até o lago pela terra, ela conhece diversos outros insetos que a ajudam em sua trajetória, como a abelha Abel, o caramujo Magnólio e o vagalume Lamparino, entre outros, cada um com sua particularidade. O musical A Borboleta Sem Asas é uma obra de César Cavelagna, com dramaturgia de Marcos Ferraz, músicas de Marcos Okura, Ricardo Brunelli e Vinícius Loyola, direção musical de Vinícius Loyola e direção artística de Paula Flaibann e Bebel Ribeiro. O espetáculo faz duas apresentações, às 9h30 e às 14h30, dia 25 de setembro de 2019, quarta, no Theatro Polytheama, em Jundiaí.

A peça, que ganha versão atualizada em 2019, foi criada em 1996 a partir de um desejo de César Cavelagna e Marcos Okura de discutir o assunto da deficiência com os pequenos. O sucesso da abordagem foi tamanho que A Borboleta Sem Asas ganhou duas montagens profissionais para o palco, uma delas da extinta Cia de Teatro Rock, de Ferraz, Okura, Fezu Duarte e Fábio Ock; uma montagem criada por estudantes ao fim de uma oficina de teatro e uma adaptação audiovisual para o programa Teatro Rá-Tim-Bum, da TV Cultura.

A nova versão, com direção assinada por Bebel Ribeiro e Paula Flaibann, aposta na proximidade com as crianças da nova geração. Para isso, algumas adaptações foram feitas, como músicas que flertam mais com o pop e a principal ocupação das borboletas que hostilizam Babi – se na versão original elas eram modelos, agora elas são digital influencers. “É uma versão da Borboleta para os anos 2020”, diz Marcos Okura, que acompanhou o processo de criação da peça como supervisor artístico.

O espetáculo é composto por dez músicas. O diretor musical Vinícius Loyola apostou em diferentes gêneros e referências que alcançam crianças e adultos. Pop, rock, tango, disco e axé integram a trilha sonora. Os figurinos de Juliana Sanches fogem do óbvio na representação dos insetos. “Não quisemos nada muito realista, há apenas alguns elementos do figurino que remetem ao inseto em questão, mas isso só se revela mesmo pela dramaturgia”, contam as diretoras.

O cenário, também assinado por Juliana, é simples e objetivo. Escadas, guarda-chuvas estilizados como flores e puffs em forma de cogumelos enfeitam o jardim que ambienta a história. As diretoras contam que as adaptações feitas no texto foram anotadas em tempo real para manter a dinamicidade da peça. “Uma piada que funciona hoje pode perder o sentido em pouco tempo, então fazemos atualizações a cada ensaio para que possamos manter a peça atual em todas as sessões e temporadas”, contam.

A peça foi viabilizada pelo Grupo Trapiche de Teatro, que tem como essência de seus estudos encontrar pontos de intersecção entre o teatro musical, o cinema e o teatro clássico ou teatro de texto. “Trazer um tema de tamanha relevância como esse, em um país onde ainda sofremos com a falta de apoio e preocupação com o portador de necessidades especiais num espetáculo voltado para o público infantil e jovem, colabora no debate e age como agente facilitador para a discussão principal”, conta Nayana Gomes, do Grupo Trapiche.

Ao convidar os artistas para criar a nova versão de A Borboleta Sem Asas, o Grupo Trapiche deu total liberdade para que a equipe criativa desenvolvesse a peça. “Fizemos uma audição em que recebemos mais de 200 currículos. Fizemos testes com 60 pessoas, chegamos em 18 e selecionamos para a montagem sete artistas”, contam Paula e Bebel.

Além da exigência de que os selecionados fossem habilitados para atuar de acordo com técnicas do teatro musical, a seleção também levou em conta a diversidade, resultando assim num elenco plural em vários aspectos. “Temos atores de Fortaleza, Distrito Federal, Manaus e interior de São Paulo, em cidades como Caieras, Bauru e Santo André”, conta o diretor musical Vinícius Layola.

Para a equipe, as personagens da peça também trazem elementos humanos que podem gerar reflexões nos adultos e crianças sobre o respeito à diversidade. “O zangão é debochado e vaidoso, a abelha é muito trabalhadora, o caracol é um tipo apaixonado e o vagalume é um sábio”, contam as diretoras. Okura, único integrante que também faz parte da equipe original de A Borboleta Sem Asas, afirma que mesmo com todas adaptações, a mensagem de acolhimento das diferenças e do entendimento que são elas que nos fazem únicos está mantida na peça. “Essas questões são atemporais e estão retratadas o tempo inteiro”, opina.

SINOPSE
O espetáculo é ambientado em um grande jardim, onde vários animais e insetos buscam viver em harmonia. Assim, à medida que segue em direção ao lago, Babi, a borboleta sem asas, conhece o caramujo Magnólio, a abelha Abel e o vagalume Lamparino, entre outros, cada um com sua particularidade. E vai descobrir, nessa caminhada, que as deficiências são eficiências singulares, um modo particular de ser e estar na vida.

FICHA TÉCNICA
De: César Cavelagna
Texto: Marcos Ferraz
Direção Artística: Paula Flaibann e Bebel Ribeiro
Direção Musical: Vinícius Loyola
Cenário e Figurino: Juliana Sanches e Felipe Cruz
Elenco: Ana Bia Matos (Babi), Alba Brito (Abel), Daniel Selles (Lamparino), Bruno Vaz (Zangão), Maísa Lacerda (Amélia), Fabio Fernandes (Magnólio) e Giovanna Federzoni (Hortência)
Realização: Grupo Trapiche
Produção: Nayana Gomes

SERVIÇO
A Borboleta Sem Asas
Dia 25 de setembro de 2019
, quarta-feira, às 9h30 e às 14h30
Theatro Polytheama
R. Barão de Jundiaí, 176 – Centro, Jundiaí
Tel: (11) 4586-2472
Duração: 60 minutos
Ingresso: R$40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Classificação: Livre (Recomendado para crianças a partir de 4 anos)

Autodidata, palmeirense, apreciador de whisky e filho de "nossa terra querida", Fillipe foi criado em Jundiaí. É autoridade em Marketing de Influência. Possui grande notoriedade por ter em seu currículo, especialidade em Estratégia, Conteúdo e Ações Práticas no Marketing de Influência. Hoje, é o atual executivo da Oak Comunicação, agência paulistana de marketing de influência, relações públicas e assessoria de imprensa, onde já atendeu diversos dos maiores influenciadores e personalidades do Brasil. Trabalhou em campanhas para diversas marcas como: Rappi, Hopi Hari, VIACOM, Jack Daniels, Camarote Fan Zone, Wet’n Wild, Allianz Parque, Nickelodeon, entre outras. Fillipe também é editor-chefe do Jornal O Dia Jundiaí, diretor criativo na agência Oak Design, onde desenvolve atividades de gestão de mídias sociais, bem como análise e mensuração de resultados, e nas horas vagas é “blogueirinho” - como ele mesmo se nomeia - no Descubra Jundiaí.

Entretenimento

‘Lençol Dobrado’ é a música mais tocada de 2019 no Deezer

Avatar

Publicado

em

 A música “Lençol Dobrado”, da dupla João Gustavo e Murilo, é a mais tocada do ano no Brasil por meio da plataforma de streaming Deezer.

A canção, que mescla o sertanejo com uma batida mais envolvente, deixou para trás “Atrasadinha”, de Ferrugem e Felipe Araújo, “Cobaia”, de Lauana Prado e Maiara & Maraisa, e “Estado Decadente”, com Zé Neto & Cristiano, dentre outras.

No YouTube, “Lençol Dobrado” já conta com mais de 90 milhões de visualizações. E também já ganhou diversos remix espalhados pela internet.

Outro destaque é Marília Mendonça. Dentre as dez posições no ranking, a sertaneja, que atualmente espera o seu primeiro filho, aparece em três posições diferentes. “Ciumeira” é a terceira mais ouvida, enquanto “Bem Pior Que Eu” é a sexta e “Todo Mundo Vai Sofrer” é a décima.

Marília Mendonça, aliás, teve mais relevância ainda na lista divulgada pela Deezer. Ela é a artista mais tocada no Brasil e aparece na terceira colocação dentre os artistas no mundo.

Continuar Lendo

Entretenimento

Hopi Hari celebra a diversidade mais uma vez

Já considerado o maior festival LGBTQ+ do país, Hopi Pride acontece no dia 23 de novembro, como parte das comemorações pelos 20 anos do parque

Avatar

Publicado

em

Com muito orgulho, as fronteiras do Hopi Hari, parque temático em Vinhedo (SP), se abrem para a 4ª edição do Hopi Pride, no dia 23 de novembro. O festival faz parte do Celebration 2019, série de eventos que comemora os 20 anos do parque.

Serão mais de 17 horas de festa: o som começa às 14h de sábado e só irá parar às 7h do domingo (24). Com um line-up 100% LGBTQ+, o Vale mais Colorido do Mundo vai receber nomes como Pabllo Vittar, Gloria Groove, Karol Conka, Lia Clark, Pepita, Mateus Carrilho e Aretuza Lovi. E tem muito mais.

Já considerado o maior festival LGBTQ+ do Brasil e o único realizado em parque temático, o Hopi Pride terá três palcos: o Eletrônik, com os principais nomes da música eletrônica tribal; o Diversi, palco principal localizado na Arena di Hopi Hari, onde acontecem os shows, e que ainda vai contar com DJs de pop e funk; e o Alterna, palco novo, com DJs de indie e pop side-b.

Bota a mão no coração que ele vai acelerar… Além da música, o público vai poder curtir os mais de 40 brinquedos do parque, que funcionam em uma grade de horários diferenciada para o festival, com os mais radicais indo até as 2h da manhã.

Hopi Hari

O Hopi Hari é um dos maiores parques temáticos da América Latina e está localizado a 15 minutos de Campinas e a meia hora de São Paulo, em Vinhedo, interior paulista. O parque foi revitalizado e conta com infraestrutura completa para receber famílias, escolas, excursões turísticas e amantes de parques de todo o país.

São cinco regiões temáticas distribuídas em 760 mil metros quadrados: Kaminda Mundi, Infantasia, Aribabiba, Wild West e Mistieri. O Hopi Hari conta ainda com o Hadikali, único SkyCoaster em operação no país, além da mais alta, mais extensa e mais rápida montanha-russa da América do Sul: a Montezum.

O parque oferece mais de 40 atrações para todas as idades, mais de 20 pontos de alimentos e bebidas (incluindo comida vegana), bebedouros, enfermaria, sanitários, fraldários, área para amamentação e estacionamento para cinco mil veículos.

Confira as atrações por palco:

DIVERSI (Arena di Hopi Hari)
17h: Mari Benting
18h: Serjô
19h: Karol Conka
20h: Ciro Ladocico
20h30: Mateus Carrilho
21h30: Ciro Ladocico
22h: Aretuza Lovi
23h: Chris Defreyn
22h30: Gloria Groove
00h30: Lip Sync Battle
1h: Pepita
1h40: Chris Defreyn
2h: Lia Clark
3h: Chris Defreyn
3h30: Pabllo Vittar
5h: Stogui

ELETRÔNIK (Kaminda Mundi)
14h: Ledah
17h: Van Müller
18h30: Priscila Nogueira
20h30: Júlio Doutor
22h30: Marthan
00h: Má Rodrigues
2h: Myllena Vox
3h30: Zuccare
5h: Diego Baez

ALTERNA (Saloon, em Wild West)
17h: Douglas Mota
19h: André Plácido
20h: Edu Castelo
21h30: Evehive
22h40: Urias
23h30: Matheus Gaygher
3h: Spencer Q
5h: Vitor Mencareli

SERVIÇO
Hopi Pride Festival 2019
Quando? 23/11/2019, a partir das 14h.
Onde? Hopi Hari: Rodovia dos Bandeirantes, km 72, Vinhedo – São Paulo.
Preços? Terceiro lote: R$ 129,90/Kamaroti Pride Lounge: R$ 449,90.
Onde comprar? Antecipado pelo site: www.hopihari.com.br ou na Central de Vendas: (11) 4210-4000. Parcelamento em até 6x com juros.
Onde tirar dúvidas? No site, por meio do chat online, ou no Serviço de Atendimento ao Visitante (SAV), por e-mail: fale@hopihari.com.br ou telefone: (11) 4290-0333.
Paradero (estacionamento)? R$ 40 carros e vans; R$ 25 motos.

Continuar Lendo

Entretenimento

YouTube NextUp Artistas: Renan Cavolik é um dos selecionados

Avatar

Publicado

em

Foto: Diego Padilha

O cantor jundiaiense Renan Cavolik foi selecionado para o NextUp Artistas, programa de aceleramento de carreiras promovido pelo YouTube mundialmente. Ao todo, doze promessas da música foram selecionadas dentre mais de 1,5 mil inscrições.

O projeto coloca os artistas em imersão durante cinco dias para painéis e workshops com profissionais da indústria da música. Representantes de gravadoras, empresários, curadores musicais, relações públicas e jornalistas orientam os participantes.

Realizada no Rio de Janeiro, onde fica o YouTube Space Brasil, a versão nacional do programa é a única em todo mundo que já conta com duas edições, reflexo da diversidade e da qualidade da música produzida no país.

Além de Renan, participam desta edição Luísa e os Alquimistas, Nayra Lays, Cais, Lucas Boombeat, Gavi, LaMona Divine, Julio Secchin, Hodari, Laypold, Banda Hotelo e Dan Stump.

Acompanhe o Renan nas redes:
www.instagram.com/renancavolik
www.facebook.com/renancavolik
www.youtube.com/renancavolik

Assista ao clipe Colo, o preferido da nossa redação:

Continuar Lendo

+ Lidas da semana