Fique Conectado

Saúde

Veja as possíveis causas de uma gengiva inflamada e como tratar

Avatar

Publicado

em

Sabemos que a gengivite é a inflamação do tecido gengival e geralmente é uma resposta ao acúmulo excessivo de placa bacteriana na cavidade bucal. Porém, a doença é multifatorial, ou seja, ela pode depender de outras patologias para ocorrer e, se somada a outros fatores, pode acabar desencadeando doenças como diabetes, leucemia, síndromes e má nutrição. Além disso, para as mulheres, é importante o alerta a esses sinais, principalmente no período de gravidez, onde o aumento hormonal é um fator de predisposição para o aparecimento da doença. Conversamos com a dentista Luciana Garcia que explica como se prevenir e como tratar a gengivite de forma correta.

Quais sintomas, além do sangramento, indicam um quadro de gengivite?

O ideal para não se contrair a gengivite é sempre prevenir com idas periódicas ao dentista e ser instruído pelo profissional quanto à higiene bucal ideal. Porém, se o paciente já apresentar os sinais de inflamação, que incluem vermelhidão, inchaço, sangramento, mau odor e dor, ele deve procurar imediatamente um dentista. “Ao analisar esses sinais, junto com o grande depósito de placa bacteriana, o profissional irá diagnosticar e orientar o paciente quanto ao melhor tratamento do quadro apresentado”, comenta Luciana.

Como prevenir?

A prevenção do quadro de gengivite está diretamente associada aos hábitos de higiene bucal do paciente. Vale ressaltar que o uso de fio dental deve ser indispensável no momento da limpeza. A dentista completa: “Se o paciente utilizar a escova de maneira correta, ele apenas com uma boa higiene consegue remover os depósitos bacterianos que futuramente iriam permitir a inflamação gengival”, comenta.

Qual o tratamento indicado para casos de gengivite?

O tratamento indicado nessa situação é a remoção do acúmulo dos depósitos de placa bacteriana da superfície dentária. “O procedimento geralmente aplicado nesses casos é chamado de raspagem e profilaxia”, informa Luciana. A partir desses procedimentos, que se consistem em uma limpeza mais profunda do que a feita em casa, o dentista também conseguirá remover áreas que podem está facilitando a acumulação da placa bacteriana como restaurações com excesso ou próteses mal adaptadas. É recomendado que mesmo que o paciente não possua nenhuma doença relacionada à sua gengiva, a limpeza seja feita de seis em seis meses por um profissional de odontologia para a manutenção da higiene bucal.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Luciana Garcia – Ortodontista
Brasília – DF
CRO-DF 9267

Formada em odontologia desde 2004 pela Unimar (Universidade de Marília) e especializada em ortodontia.

Saúde

Pode-se colocar aparelho na infância ou é melhor esperar a fase adulta?

Avatar

Publicado

em

O desalinhamento dos dentes pode acontecer em qualquer idade, mas essa situação normalmente é observada pelos pais ainda durante a infância de seus filhos. No entanto, muitos adultos hoje em dia também estão aderindo ao tratamento ortodôntico, e sempre fica aquela dúvida: qual seria a melhor fase para colocar o aparelho, afinal? O ortodontista Robson Caumo conversou com o Sorrisologia e pontuou tudo que você precisa saber. Confira!

Com que idade é possível começar o uso do aparelho ortodôntico?

Muitas pessoas têm essa dúvida e acreditam que o uso de aparelho deve ser feito somente com o nascimento de todos os dentes permanentes, mas Robson garante que não existe regra para isso, já que o desenvolvimento dentário e estrutural da boca pode variar de acordo com cada um.

No entanto, o dentista também indica que, na maioria dos casos o tratamento ortodôntico se inicia por volta dos 10-11 anos, quando o paciente está na fase mista da dentição. Sobre possíveis diferenças entre quem realiza o tratamento quando criança, e quem o faz somente na fase adulta, ele afirma: “Quanto mais precoce o tratamento, melhor o prognóstico”.

Em quais casos o uso de aparelho ortodôntico pode ser recomendado na infância?

Por mais que não haja exatamente uma regra, o especialista indica que o tratamento ortodôntico pode ser iniciado se as trocas dentárias estiverem mais avançadas, já com a presença dos primeiros molares permanentes e com os dentes incisivos já erupcionados. Mas também há casos em que essa intervenção pode ser feita antes mesmo disso acontecer.

“Casos onde temos, por exemplo, uma sobremordida profunda, biprotrusão, desnivelamentos exagerados, rotações dentárias, dentre outras situações clínicas, pode-se iniciar precocemente o tratamento ortodôntico no paciente. Outra indicação é quando a adesão aos aparelhos ortopédicos (aparelhos móveis) não tem uma boa aceitação”, esclarece.

Que cuidados tomar para que não seja necessário passar novamente por esse tratamento na fase adulta?

Há casos em que o paciente passou pelo tratamento ortodôntico quando criança, e, após algum tempo, o desalinhamento dos dentes ressurgiu na fase adulta. Isso acontece porque, segundo o especialista, é fundamental fazer um acompanhamento regular do quadro clínico do paciente, mesmo que todo o problema de oclusão tenha sido resolvido durante o tratamento.

“Na maioria dos casos, são instaladas contenções que tentam evitar ao máximo uma possível recidiva. Porém, como algumas dessas contenções são móveis, é necessário que o paciente coopere para garantir a eficácia do processo”.

Sobre o dentista
Robson Caumo – Ortodontista e Especialista em DTM | Niterói – RJ | CRO-RJ: 30043
Clínico geral atuante na área de DTM; Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares; Odontologia do sono (tratamento do Ronco e Apneia) e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dor Orofacial (SBDOF).

Continuar Lendo

Saúde

Você sabe reconhecer qual é a idade do seu dente?

Avatar

Publicado

em

Não apenas os cabelos e a pele precisam de cuidados preventivos. Saiba que novas tecnologias e cremes dentais previnem a aparência de dente envelhecido

Pode parecer difícil, mas é possível saber, olhando no espelho, qual é a idade que o dente aparenta. Especialistas explicam que o dente de pessoas jovens, de 20 a 35 anos, deve ser rígido, ter uma ponta translúcida, e a engrenagem perfeita entre os dentes superiores com os inferiores, quando só os caninos se encostam e os outros dentes não, quando se fecha a boca.“Essa condição só acontece quando possuímos o esmalte do dente rígido ou preservado”, afirma dr. Marcelo Kyrillos, cirurgião-dentista do Ateliê Oral, em São Paulo.

Já um dente envelhecido tem manchas e as pontas desgastadas, condição que deveria aparecer em pessoas com mais de 55 anos de idade, mas está se tornando cada vez mais comum nos dias atuais, com o aumento no número de pessoas com dentes com mais idade biológica (aparência) do que a compatível com a idade real do indivíduo.

Isso se explica, segundo especialistas, pela falta de conhecimento sobre produtos específicos que podem endurecer o esmalte do dente e, ainda, pela falta do hábito da limpeza e consultas nas quais se analisa: o índice de placa bacteriana, a saúde da gengiva, da mordida e da mastigação.

O que um dente envelhecido causa?

dente envelhecido é aquele que tem a dentina exposta e as pontas desgastadas. Com o tempo, pela exposição da dentina, o dente envelhecido começa a manchar, apresentando a coloração amarela e depois marrom, muito por causa dos corantes do que comemos. Além disso, pela perda do volume do esmalte, eles vão se movimentando e os dentes de baixo invadem o espaço dos dentes de cima, começando a “lixar” e desgastar toda a arcada — pesquisas apontam que mais de 90% das pessoas, no mundo inteiro, apertam ou rangem os dentes, o que potencializa o desgaste.

É um processo sem fim. Em cinco anos, por exemplo, um dente que tem uma pequena retração de gengiva, se não for tratado, pode ter a dentina muito mais exposta e pigmentada. O perigo não é a estética, mas o colapso bucal.

A boa notícia é que existem novas pastas dentais – compostas por fluoreto de amina – que ajudam a endurecer o esmalte do dente. Para os mais sensíveis, hoje existe a tecnologia CalSeal, desenvolvida para melhorar a resistência a alimentos ácidos, ideal para pacientes com sensibilidade. E para quem perdeu a guia de proteção dos caninos, o especialista conta que é possível restaurá-las com fragmentos de porcelana, devolvendo o esmalte e ajustando novamente o nivelamento dos dentes. “Não existe uma idade certa para os dentes começarem a sofrer desgaste. Realizar limpezas e a rotina de cuidados a cada seis meses, pode fazer com que você previna qualquer envelhecimento precoce do dente”, reforça.

Para Kyrillos, o alerta é que o fato de termos essa engrenagem bucal perfeita na juventude (quando só os caninos se encostam e todos os outros dentes não se tocam), não nos garante um sorriso saudável com o passar dos anos, mesmo que o indivíduo não tenha cárie ou outra doença. “O ritmo de vida atual impõe mais tensão na mordida que, aliada ao uso de pastas dentais clareadoras (que são mais abrasivas) sem a recomendação adequada, ou de escovas de cerdas muito duras e alimentação ácida, causam o desgaste do esmalte. É preciso ficar atento”, frisa.

6 Dicas para preservar a idade biológica do dente

1. Evitar fazer refeições com alto índice de acidez e escovar os dentes imediatamente. É indicado esperar 30 minutos para escovar os dentes depois de consumir ácidos, evitando, assim, a ação abrasiva das pastas dentais na superfície ainda amolecida do dente.

2. Usar pastas com fluoreto de amina – que ajudam a endurecer o esmalte do dente. E, para os mais sensíveis, pastas com a tecnologia CalSeal, desenvolvida para melhorar a resistência a alimentos ácidos, ideal para pacientes com sensibilidade.

3. Evitar bebidas ácidas antes de dormir, quando os efeitos protetores da saliva estão reduzidos.

4. Usar placa protetoras para dormir e em momentos que desencadeiam tensão entre os dentes (durante exercícios físicos, por exemplo). Essa proteção é fundamental para prevenir o grande malefício de perda de volume de esmalte.

5. Priorizar o fio dental e a boa escovação para evitar a pigmentação e as manchas dentais e as inflamações de gengiva.

6. Ficar alerta: a gengiva não deve sangrar jamais. Se sangrar, é forte indício de alguma doença.


Continuar Lendo

Saúde

Para driblar escassez nacional de BCG, Jundiaí cria esquema de vacinação em UBSs

Avatar

Publicado

em

Fotos: Fotógrafos/PMJ

Vacina BCG: oferta foi reduzida em 50% pelo Ministério da Saúde

A Vigilância Epidemiológica (VE), órgão da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), informa que para o mês de agosto haverá a necessidade de adequação na oferta de doses de vacinas, com objetivo de evitar desperdício de doses, tendo em vista a redução em 50% da oferta pelo Ministério da Saúde da dose de BCG. A vacina imuniza contra tuberculose e é aplicada nos primeiros dias de vida da criança.

Maria do Carmo Possidente, enfermeira da VE, explica que o objetivo é dar continuidade ao atendimento da melhor forma possível. “Recebemos esse mês um quantitativo reduzido de BCG e por isso será necessário restringir as UBS de aplicação, para reduzir as perdas e manter a vacinação até o final de agosto”, afirma.

Por mês são aplicadas cerca de 500 doses em Jundiaí. Para evitar a perda do produto, já que cada frasco contém 10 doses e a durabilidade é de apenas 6 horas após o frasco ser aberto, foi estabelecido um cronograma de oferta para otimizar os recursos.

De 29/7 a 30/8, a vacina será aplicada nas seguintes UBS:

  • segunda-feira, no PSF Marlene e UBS Central;
  • terça, Santa Gertrudes e Morada das Vinhas;
  • quarta, Caxambu e Agapeama;
  • quinta, Eloy Chaves e Esplanada;
  • e sexta-feira, no Novo Horizonte e Hortolândia.

O horário de aplicação será das 9h às 15h. A orientação da VE é que os pais procurem a UBS de preferência para vacinar as crianças no período da manhã.

Pentavalente também em falta
Outra vacina que também sofre desabastecimento é a Pentavalente, que não foi disponibilizada para o próximo mês. Essa vacina deve ser aplicada em crianças aos 2, 4 e 6 meses, e protege contra tétano, difteria, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo hemophilus. “Não recebemos Pentavalente esse mês. A informação do Ministério da Saúde é que estão aguardando a baixa do Termo de Guarda concedido pela ANVISA para iniciar a distribuição”, explica Maria do Carmo.

Fonte: Assessoria de Imprensa/PMJ

Continuar Lendo

+ Lidas da semana