O presidente brasileiro rejeitou o ministério da saúde

Os viajantes estrangeiros que chegam ao Brasil nesta semana dispensaram a exigência de apresentar um certificado de vacina Covit-19. Tal decisão foi tomada em desacordo com a recomendação do Controlador Nacional de Saúde. Anteriormente, o presidente Jair Bolzano comparou tal dever a uma corda que guia um animal.

“As pessoas não podem ser discriminadas”

O ministro da Saúde brasileiro, Marcelo Guerrero, disse a repórteres que “as pessoas não podem ser discriminadas com base na vacina para impor uma vacina ou restrições”.

Ao mesmo tempo, o ministro destacou que, embora ainda não sejam conhecidas as características exatas da variante Omicron, o Brasil exigiria cinco dias de isolamento para viajantes não vacinados, conforme recomendação da Comissão de Vigilância Sanitária da Anvis.

Após esse período, com teste PCR negativo, os estrangeiros que vão ao Brasil como turistas podem “aproveitar a beleza do nosso Brasil maior”, disse o ministro. Até então era apenas necessário fornecer uma PCR negativa para os passageiros. Teste.

“Às vezes é melhor perder a vida do que perder a liberdade”, disse Guyroka, ecoando as palavras anteriores de Jair Bolsanaro.

Declaração do presidente

O presidente do Brasil não está vacinado. O presidente rejeitou a recomendação da Anvisa de introduzir um “passaporte governamental”.

– Por que pedimos um passaporte de saúde? O que é esse cordão que eles querem colocar para os brasileiros? Onde está nossa liberdade? Jair Bolzano declara que prefiro morrer a perder a liberdade.

A AFP informa que o Brasil registrou 615.000 empregos até agora. Óbitos por COVID-19.

consulte Mais informação:
Gliński: Estamos tentando introduzir limites socialmente aceitáveis

READ  Dia da Assinatura Nacional 2021: Anúncios ao Vivo, Classificação de Recrutamento de Futebol Universitário, Período de Assinatura Inicial, Aulas

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Dia Jundiaí