Fique Conectado

Caieiras

Motorista do Uber é preso em Caieiras

Avatar

Publicado

em

Um motorista do Uber, aplicativo para pedir carros com motoristas, que funcionam de maneira similar ao táxi, foi preso em Caieiras após ser detido pelo Demutran na Rua Domingos do Carmo Leite, na região central da cidade.

Uma lei municipal aprovada recentemente proíbe o trabalho de Uber na cidade. É o primeiro caso desde que a norma entrou em vigor. O Demutran se prepara agora para realizar novas fiscalizações no município.

com informações de rnews

Continuar Lendo
PUBLICIDADE
Clique para comentar

Caieiras

Autor caieirense lança livro no próximo dia 2 de agosto

Avatar

Publicado

em

Com livro bem recebido e elogiado pela crítica, J.R. Calheiros lança obra que nos leva a reflexão sobre espiritualidade e vida extraterrena

Celeiro de muitos talentos, a cidade de Caieiras servirá de palco para o lançamento do primeiro livro do autor J. R. Calheiros, que no próximo dia 2 de agosto, lança seu livro “Londres 17h55: O Despertar de um Milagre”, obra que nos faz refletir sobre verdades absolutas, dentre elas a de que se realmente estaríamos sozinhos no universo “Independente de como você visualiza a verdade, o livro lhe propõe uma reflexão, sobre racionalidade, espi­ri­tualidade e vida extra­terrena. Vale a pena a leitura” disse J.R. Calheiros, que convida à todos para participarem do coquetel de lançamento e noite de autográfos.

O lançamento do livro acontece no dia 2 de agosto, a partir das 19h30, no Teatro Municipal de Caieiras, o qual já foi palco de nomes consagrados como Mario Sérgio Cortella, Tom Cavalcante, o duo AnaVitória, e o cantor Nando Reis.

SOBRE O AUTOR

Ronaldo Calheiros (J. R. Calheiros) é jornalista e um grande fã e entusiasta de Ficção Científica. Desde criança nutriu um gosto pelo desconhecido, além de se interessar por ufologia e vida extraterrena. Durante sua juventude, escreveu inúmeros contos e narrativas, todos povoados por seres de outros planetas, guerras intergalácticas e mundos alternativos. Uma das suas maiores inspirações é a obra “Viagem ao Centro da Terra” de Júlio Verne, livro que leu e releu várias vezes. Entre suas principais referências encontra-se as obras dos autores de ficção Philip K. Dick, Issac Asimov, o próprio Julio Verne, além do Mestre do Terror Stephen King.

Pré-lançamento do livro “Londres 17h55 – O Despertar de um Milagre”

O livro “Londres 17h55 – O Despertar de um Milagre”, do jornalista escritor Ronaldo Calheiros já está disponível para pré-venda no site da Editoria Garcia. O livro “Londres 17h55” nos faz refletir sobre verdades absolutas, dentre elas a de que se realmente estaríamos sozinhos no universo. 
O Despertar de um Milagre – Narra a trajetória de uma avó, sua filha e neta que serão conduzidas por uma trama cheia de reviravoltas, tudo desencadeado por um encontro “acidental” com um jovem misterioso, de origem bastante peculiar. Em meio a um roteiro de idas e vindas, uma doença incurável é desencadeada, a qual irá unir ainda mais, as protagonistas deste Thriller. Daí em diante, elas terão de deixar suas vidas de lado e apostar tudo em um milagre. Independente de como você visualiza a verdade, o livro lhe propõe uma reflexão, sobre racionalidade, espiritualidade e vida extraterrena.

Vale a pena a leitura. A Pré-venda está disponível no site da Editora Garcia e o lançamento oficial da obra, está previsto para o inicio de agosto em Caieiras. Para o autor J.R. Calheiros, o lançamento do livro é um grande sonho que se realiza. “Escrever sempre foi uma das minhas paixões, mas transformar uma dessas histórias em livro era apenas um sonho bem distante e hoje publicar um livro é com certeza a realização de um sonho” Comentou Calheiros.

Link para a pré-venda: https://editoragarcia.com.br/ronaldocalheiros

Continuar Lendo

Caieiras

Último trem da série 1100 da CPTM será aposentado esse mês

Avatar

Publicado

em

Com a chegada dos novos Série 8500 e 9500, a CPTM começou a retirar de circulação seus trens mais antigos, trata-se do marcante Série 1100, fabricada pela brasileira Mafersa sob licença da americana Budd entre 1956 e 1957 e então chamada de TUE 100. Foram encomendados originalmente pela Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, fundada como São Paulo Railway Company no final do Século 19 e que construiu o que hoje são as linhas 7 e 10 da CPTM.

Assumindo a linha em 1984 a estatal ficou marcada pelos surfistas de trens e outros acidentes graves, o Série 1100 permaneceu em operação mesmo após a criação da CPTM, em 1992. Já em 1997, diante do estado lastimável em que se encontrava, o trem recebeu uma modernização onde ganhou uma nova frente com ampla janela e a reforma do seu interior.

Nos últimos anos, a Série 1100 ficou restrita à Linha 7-Rubi, que vai da estação da Luz até Jundiaí, com baldeação em Francisco Morato. Apesar de mais de 60 anos em serviço, é considerado um trem versátil e bastante resistente. Com a entrada em serviço das novas séries a CPTM pôde começar a tirá-los de circulação levados em sua maioria Jundiaí, estão em processo de desmonte.

Hoje restou apenas um exemplar em operação, registro 1114-1115, que deverá sair de cena assim que a companhia receber mais unidades do Série 9500, fabricado pela Rotem e trem mais moderno da CPTM. E, para marcar o momento histórico, a companhia está organizando uma espécie de viagem de despedida, próxima da realizada pelo Metrô ao retirar de circulação sua composição mais antiga da extinta Frota A. Para isso será feito o convite para grupos de fãs e perfis de redes sociais que cobrem o transporte coletivo. O evento ainda não teve data marcada.

Apesar da aposentadoria da Série 1100, ainda não significa o fim desses trens mais antigos e desconfortáveis, fabricados antes da fundação da CPTM. Séries como a 1700 e 4400 ainda são utilizadas em trechos menores e como reserva dos trens mais modernos. A tendência é que a definitiva retirada dessas composições ocorra em 2019.

Novo trem da CPTM

 

Continuar Lendo

Caieiras

MD Papéis de Caieiras é vendida por 100 milhões de Euros

Avatar

Publicado

em

A Ahlstrom-Munksjö acertou a compra da fábrica de papéis especiais da MD Papéis em Caieiras (SP) por EUR 100 milhões. Tradicional papeleira paulista, a MD é parte do grupo Formitex e ainda opera uma unidade fabril, em Limeira (SP). A finlandesa é uma das maiores fabricantes mundiais de papéis especiais, com vendas líquidas de EUR 2,2 bilhões por ano.

Em comunicado, a Ahlstrom-Munksjö, que tem fábricas em Jacareí (SP) e Louveira (SP), informou que as vendas líquidas da unidade adquirida totalizam aproximadamente EUR 80 milhões por ano, com resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de EUR 13 milhões no ano passado.

O preço de aquisição é líquido de dívidas e o Citibank vai financiar a aquisição. As sinergias anuais, geradas a partir de negócios sobrepostos, podem chegar a EUR 6 milhões. O portfólio de papéis produzido em Caieiras, informa a Ahlstrom-Munksjö, é complementar e 80% das vendas se encaixam nas soluções oferecidas pela companhia. A fábrica tem capacidade para 72 mil toneladas anuais de papéis decorativos, filtrantes, auto-adesivo e embalagens flexíveis.

Conforme a multinacional, a transação deve ser concluída no terceiro trimestre e abre oportunidades de crescimento futuro. “A fábrica dá acesso à produção local de papéis para decoração, fortalecendo assim a oferta de serviços da Ahlstrom-Munksjö e a parceria com clientes existentes, que até agora eram atendidos via importações”, diz a companhia.

Com a compra, a multinacional passa a operar três fábricas no Brasil, todas relativamente próximas à capital paulista, com 700 funcionários e receitas de aproximadamente EUR 200 milhões. Para o grupo Formitex, a venda do negócio de papéis especiais consolida a estratégia de foco na área de produtos químicos.

Essa é a segunda fábrica que a MD tira de seu portfólio nos últimos anos. Em 2012, a empresa encerrou as operações da unidade de Cubatão, que era dedicada à produção de papéis de imprimir e escrever e monolúcidos (usados em embalagens flexíveis).

A capacidade de produção em Cubatão era de 60 mil toneladas por ano. Perdas financeiras registradas desde a compra do ativo, que pertencia ao antigo Conpacel (ex-Ripasa), e a concorrência mais apertada com papéis importados e com produtores integrados inviabilizaram a operação.

Fonte: Valor Econômico

Continuar Lendo

+ Lidas da semana