Impacto 21: Invista na saúde pública, não apenas na saúde pública

O que aprendemos com a pandemia e a que custo foi criada uma vacina contra o vírus pandêmico? Entre outras coisas, estas perguntas foram respondidas durante o Impact’21 por Sir Lesek Borisewicz, Professor de Ciências Médicas, Presidente da Cancer Research UK e inventor da vacina contra o HPV. Polityka Zdrowotna cuidou do curso da conferência “Saúde”.

O que vai mudar após a epidemia?

Após a pandemia, a pressão sobre os governos certamente aumentará para nos tornar mais preparados, observou Sir Lesek Borisevich. Ele enfatizou que não evitaremos epidemias no futuro, mas que podemos limitar suas consequências e pressionar o governo a “se adaptar rapidamente a ameaças inesperadas e em mudança”.

O especialista observou que alguns países da Ásia lidaram com a epidemia melhor do que outros países do mundo, porque já estavam sistematicamente preparados para combater a mudança do vírus da SARS.

– Esses países tiveram a oportunidade de desenvolver sistemas como rastreamento de contatos, e o público estava pronto para fechar e disposto a aceitar medidas de precaução. Esses sistemas também são encontrados na Europa, mas ainda não passaram no teste de resistência. E agora as pressões econômicas se somam a tudo isso – disse o professor.

Conforme observado por Sir Lesek Borisevich, o exemplo da Índia também mostra a importância da infraestrutura adequada ao tomar medidas antiepidêmicas.

A tragédia da Índia depende do fornecimento de oxigênio a pequenos hospitais, não a grandes hospitais. Ele disse que manter suprimentos para os pequenos hospitais em que o sistema foi construído era algo que ele não esperava antes.

A saúde pública acima de si mesma

É importante motivar o público a investir na proteção da saúde pública, não apenas na sua própria. Não é gratuito. Isso significa que você precisa desviar mais dinheiro para a saúde ou tributar mais a sociedade, diz Sir Leszek Borisevich.

Como enfatizou o especialista, os patógenos que causam epidemias não desaparecerão. Até agora tivemos bactérias da peste, Ebola e gripe.

– Só sabemos evitar que matem demais (…) A COVID também estará sob nosso controle, mas não passará. Devemos aprender a conviver com ela, disse, mas não esperar erradicar completamente a doença. doença.

Responsabilidade social e parceria público-privada

READ  Métodos educacionais há várias centenas de anos que foram refutados pela ciência moderna - Zdrowie Wprost

Na opinião de Sir Lesek Borisevich, o COVID-19 mudou o ritmo de trabalho e mostrou a rapidez com que novas tecnologias podem ser desenvolvidas na medicina.

– Este é um bom exemplo de cooperação entre os setores público e privado. Seria muito caro produzir vacinas no setor público. A maneira como pudemos testar novas vacinas foi fantástica, disse ele, mas a força motriz foi a urgência, acrescentando que seria difícil replicar essa mobilização global e coordenação de pesquisas.

Ele acrescentou que esses estudos foram realizados em detrimento da precisão e do rigor que acompanham o desenvolvimento de novos medicamentos.

– Tinha que ser feito em grande escala o mais rápido possível. Tal medida não seria possível no caso de outros tratamentos (…) Devemos controlar a pesquisa com muito cuidado para a saúde dos pacientes e voluntários para não perder a confiança deles (…) Corremos um grande risco para o bem público (…) As vacinas protegem a realidade Bem – disse Sir Lesek Borisevich.

Existem bilhões de novas vacinas. Estamos fazendo cada vez mais vacinas para faixas etárias específicas, contra certos riscos. Eles abrem a porta para vacinas muito legais (…) Nós temos certas ideias sobre o que uma vacina faz, e as vacinas da COVID-19 se encaixam perfeitamente. No entanto, há muitas coisas que as vacinas podem fazer hoje, se as desenvolvermos de forma correta e ética, disse Sir Lesek Borisevich.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Dia Jundiaí