Chefe de voos da Ryanair sobre a Bielorrússia. Quero garantias das autoridades

A Ryanair exortou as autoridades bielorrussas na segunda-feira a fornecer garantias de que a situação em maio do ano passado não se repetiria. Naquela época, um avião pertencente a uma companhia aérea irlandesa foi forçado a pousar em Minsk. Naquela época, o ativista da oposição Raman Pratasevic, que estava a bordo, foi preso.

“É importante para o futuro dos voos não repetir o que acredito ser o primeiro caso de pirataria aérea estatal desde o Acordo de Chicago de 1945”, disse o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, a investidores. A Reuters citou sua declaração.

O’Leary enfatizou – os voos sobre a Bielorrússia não devem ser possíveis até que haja garantias suficientes de que isso não acontecerá novamente.

O’Leary também falou sobre o potencial desenvolvimento de negócios na Ucrânia. Como ele disse, o porta-aviões irlandês poderia abrir até cinco bases em nossos vizinhos do leste “nos próximos dois ou três anos”. Desde que os aeroportos ofereçam ofertas bastante atraentes. 15-20 aeronaves podem ser plantadas na Ucrânia.

CEO da Ryanair observou O conflito da Rússia com a Ucrânia. – Esperamos que a situação na Ucrânia seja resolvida por via diplomática. E se assim for, (Ucrânia – ed.) continuará a ser uma oportunidade muito emocionante para o crescimento – disse O’Leary.

Assista TVN24 online na TVN24 GO >>>

Aterragem de emergência em Minsk

Em 23 de maio de 2021, sob o pretexto de uma ameaça de bomba, a Bielorrússia forçou um voo da Ryanair de Atenas para Vilnius a pousar no aeroporto de Minsk. Naquela época, o ativista da oposição Raman Pratasevic, que estava a bordo, foi preso. Um dos autores do canal de oposição Nexta no Telegram, cuja operação as autoridades admitiram ser a radicalização, é procurado pelas agências policiais da Bielorrússia sob um mandado de prisão. Sua companheira, Sofia Sabiga, também foi presa.

As ações da Bielorrússia foram amplamente condenadas na arena internacional. O presidente Andrzej Duda avaliou que eles eram “mais um exemplo de violação de princípios básicos do direito internacional”, enquanto o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki falava de um “ato sem precedentes de terrorismo de Estado”.

A oposição bielorrussa indicou que o incidente de maio foi uma provocação aos serviços de inteligência com o objetivo de prender Raman Pratasevic. Tal opinião foi expressa, entre outras coisas, por um residente no exílio, um ex-candidato presidencial Swiatlan Cichanouska.

O incidente da Ryanair levou à proibição de voos sobre a União Europeia (e Ucrânia) para aeronaves da Bielorrússia e a recusa de usar o espaço aéreo da Bielorrússia. Os países ocidentais também anunciaram a imposição de novas sanções às autoridades em Minsk após o incidente.

Adam Zimenovich / PAP

Fonte principal da imagem: PAP / Agência de Proteção Ambiental

READ  Isto é o que seu empregador tem que lhe pagar agora. Tabela para cálculo do salário mínimo e após o Novo Lada [31.01.2022]

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Dia Jundiaí